Encanto que Embriaga

Estaria a arte sonora realmente apta a comunicar um sentido? Em que consistiria a expressividade de uma composição musical? Ao apresentar um modo singular de atuar sobre o ouvinte e de transmitir seu sentido, a música torna-se, com frequência, alvo de suspeita para uma cultura guiada pelo lógos demonstrativo e por uma “razão viril”. Contudo, estaria a arte sonora realmente apta a comunicar um sentido? … Continuar lendo Encanto que Embriaga

Huxley Crítico Musical

por João Marcos Coelho * O mundo conhece o escritor britânico Aldous Huxley (1894-1963) como o autor da maior distopia do século xx, Admirável Mundo Novo (1932), e ao mesmo tempo ícone da geração beatnik com seus livros As Portas da Percepção (1954) e Céu e Inferno (1956) sobre os efeitos da mescalina. Fala-se muito de sua amizade com o compositor Igor Stravínski e também … Continuar lendo Huxley Crítico Musical

Post fixo

Graal: Drama do Escritor Vanguardista

Pacelli Dias Alves de Sousa Se mencionar o encontro de um datiloscrito pouco comentado de um escritor reconhecido, por si, já evoca todo um universo borgeano de construção narrativa: a figura nebulosa do escritor perdido em meio a uma pilha de livros, textos que parecem surgir entre conexões e choques com outros textos, tradições entre infindáveis e inventadas; que se trate de uma peça de … Continuar lendo Graal: Drama do Escritor Vanguardista

Despede-se a Vanguarda

Os anos tendem à crueldade. Pelos últimos deixamos nomes de peso e o cenário cultural de vanguarda se vê cada vez mais leve e pálido. 2016, com menos de duas semanas de idade, já se mostrou tão frio e impiedoso quanto seus antecessores, e reúne pelo caminho os grandes mestres da geração de 1920. Entre cinco dias de fôlego, nos despedimos de dois dos maiores nomes … Continuar lendo Despede-se a Vanguarda