Literatura, Matemática e Poesia em Diálogo

Jacques Fux Ele sabia quando parar de formalizar e começar a cantar – ou melhor, quando fazer os próprios rigores formais cantarem. John Barth Letras e números costumam ser vistos como símbolos opostos, correspondentes a sistemas de pensamento e linguagens distintas e por vezes incomunicáveis. Essa perspectiva, no entanto, foi muitas vezes refutada pela própria literatura, que em diversas ocasiões valeu-se de elementos matemáticos como … Continuar lendo Literatura, Matemática e Poesia em Diálogo

Com a Tinta Vermelha de Dor

No imaginário fragmentado de uma personagem narradora, os estilhaços se alinham para restituir, pouco a pouco, algo que lhe foi furtado pelo regime nazista.   Romance-documentário de Mireille Abramovici retoma um tema explorado pela literatura contemporânea: o holocausto. Alguns leitores podem achar que esta é uma pauta em vias do esgotamento, mas Abramovici, em Com Tinta Vermelha, prova que questões como esta dificilmente perdem interesse. Neste relato investigativo, as memórias … Continuar lendo Com a Tinta Vermelha de Dor

Caminhar nas Cidades

por Anita Di Marco Tradutora | arquiteta e urbanista (FAU-USP, 1976, Especialização em Conservação Arquitetônica pelo ICCROM-Roma). | Anita Plural: http://anitadimarco.blogspot.com.br Cidades representam, hoje, o principal habitat do ser humano, no mundo todo, sobretudo a partir de meados do século 20. Na América Latina, 75% da população vive hoje nas áreas urbanas e o Brasil não é exceção. 85% de nossa população já está nas … Continuar lendo Caminhar nas Cidades

Procura-se uma Personagem (Mais) Complexa

Quando o papel do público e do ator no teatro deixa de ser jogo artificial e passa a ser expressão orgânica do natural, algo precisa ser explicado. Senhoras e senhores, temos o prazer de apresentar, nesta feira de ideias e debates, ninguém menos que Constantin Stanislávski! Do fortuito encontro entre Constantin Stanislávski e Nemiróvitch-Dântchenko surge a ideia de um novo teatro, proveniente de uma arte genuína, na qual finda o … Continuar lendo Procura-se uma Personagem (Mais) Complexa

Jogo e Formação no Palco

Quantos Brechts, Müllers e Brueghels são necessários para levar um ateliê de pintura ao palco? Quais são as possibilidades pedagógicas desse encontro?   Partindo de experiências teatrais construídas com aprendizes e futuros professores, o autor de Alegoria em Jogo: A Encenação como Prática Pedagógica, Joaquim Gama, explora o que chama de “teatro de figuras alegóricas” num laboratório para uma nova abordagem estética da pedagogia teatral. Utilizando gravuras de Peter Brughel, … Continuar lendo Jogo e Formação no Palco

Nova Percepção de Antigos Conceitos

Aos interessados pelo desenvolvimento da teoria econômica e reestruturação de paradigmas vigentes,  Nova Economia Política de Serviços propõe uma discussão sobre o caráter produtivo das atividades econômicas de serviços. Inicialmente consideradas não produtivas e até complementares, hoje os sinais foram invertidos, em virtude do destaque e da importância que o setor terciário adquiriu. Em sua nova publicação, Anita Kon demonstra como os serviços mudaram de figura … Continuar lendo Nova Percepção de Antigos Conceitos

A Música e o Crime

Quando a política se apropria da arte, utiliza o apuro técnico de uma orquestra e a tradição musical de um povo para comprovar “cientificamente” sua supremacia racial

 

A Mais Alemã das Artes
A Mais Alemã das Artes

Devastada e humilhada após a Primeira Guerra Mundial, a Alemanha elege um governo nacionalista que rapidamente, mas com sólido apoio popular, destrói sua frágil democracia e instaura um regime de implacável perseguição a minorias e adversários políticos. O III Reich nasce fazendo a apologia da raça ariana pura e usa o protagonismo cultural do país na história como elemento-chave para reerguer o devastado orgulho nacional e estimular o ódio racial, manipulando as realizações de grandes autores e criadores alemães, com interpretações para lá de duvidosas.
A música, e a mítica Orquestra Filarmônica de Berlim em particular, cumpre uma série de incumbências relacionadas ao conceito de identidade nacional, servindo como instrumento conveniente e aproveitável para a ascensão do horror nazista. É esta a história de A Mais Alemã das Artes.

 

Alicerçados por um componente central do orgulho alemão, estudiosos voltaram-se à música como peça integrante de seu conjunto identitário, mas mais do que isso, como uma fonte de entretenimento e distração da qual todos os alemães poderiam desfrutar, uma atividade saudosa de tempos mais certos, nos quais a Alemanha garantia sua superioridade intelectual através da música. Assim, a musicologia, enquanto ciência e didática, percorreu um trajeto bastante particular neste contexto histórico mais particular ainda.

Em A Mais Alemã das Artes: Musicologia e Sociedade da República de Weimar ao Fim da Era Nazista, Pamela M. Potter pretende explorar a relação de causa e efeito que a música alemã partilha com o contexto de conflito mundial, estudando, portanto, a ascensão da musicologia na Alemanha do pós, entre e durante guerras. Para além disso, é possível, ainda, divisar práticas políticas correntes, com formas de atuação muito semelhantes às do regime nazista em relação à orquestra, e que ainda perduram na constituição de grandes projetos culturais e esportivos.

 

Em 1878, Richard Wagner proclamou que a essência alemã encontrava-se na música. Sessenta anos depois, em 1938, na abertura do maior encontro musical do Terceiro Reich, o ministro da propaganda, Joseph Goebbels, reafirmou, frente à multidão, que a música era a arte mais gloriosa do patrimônio cultural alemão. Até hoje, o mito da Alemanha como a “pátria da música” toma o mundo. O catecismo da música clássica requer familiaridade com os três “B’s” – Bach, Beethoven, Brahms, todos alemães; as salas de concerto perpetuam os nomes dos grandes mestres alemães em seus repertórios; a história da música, basicamente, é ensinada como uma progressão rumo à autorrealização alemã; e até hoje, Alemanha e Áustria continuam a atrair estudantes e experts em música, da mesma forma que os governos desses países não param de investir na preservação de suas
impressivas instituições musicais, bem como em eventos e projetos na área musical. A percepção popular da música ocidental assume que os alemães sempre estiveram no centro do enriquecimento da arte musical.

 

 

A AUTORA:

Pamela M. Potter é professora de musicologia na Universidade de Wisconsin-Madison e diretora do Centro de Estudos Alemães e Europeus. Sua pesquisa concentra-se na relação entre as artes e as condições ideologias, políticas, sociais e econômicas, do século XX. Além de A Mais Alemã das Artes, Potter também escreveu Music and German National Identity e Art of Suppression: Confronting the Nazi Past in Histories of the Visual and Performing Arts, obras que também suscitam questões acerca da cultura nazista e suas estéticas.

 Pamela Potter
Pamela Potter

LEIA MAIS

Continuar lendo “A Música e o Crime”

Representar por entre tempos

Dizem as más línguas que os acadêmicos de humanas nunca conseguiram misturar letras e números. É chegado o tempo (e o espaço) de superar este clichê   Jorge Andrade – Um Dramaturgo no Espaço-Tempo prova que o teatro e a teoria da relatividade estão mais próximos do que se imagina, e que a física pode ser a ciência exata preferida das humanas. Em Jorge Andrade, a análise de peças … Continuar lendo Representar por entre tempos

Em defesa do impostor

Cyril Aslanov Onde há poética ou poetas, o imperativo de transparência não pode ser mantido… a mentira é uma parte constitutiva da atividade poética. O tradutor seria manipulador e mentiroso por ser poeta. Se não fosse poeta, correria o risco de ser um tradutor ruim Pretendo analisar o ato da tradução como uma difícil negociação entre uma transparência ideal e a tentação de enganar o … Continuar lendo Em defesa do impostor

Dramaturgos do Submundo no Grande Mundo

Lamentavelmente, só alguns dramaturgos do século XVI tiveram o privilégio de encenar e cumprir os assassinatos de seus inimigos em um palco de teatro. Mas quem é que nunca fantasiou com essa montagem na vida real? Ao falar em dramaturgia elizabetana é natural que somente se pense em Shakespeare e em suas peças de maior sucesso, porém quase nada se registra sobre seus contemporâneos, dramaturgos … Continuar lendo Dramaturgos do Submundo no Grande Mundo